Igreja Protestante Reformada do Brasil

A Igreja Protestante Reformada do Brasil (IPRB) é uma igreja que adota a Bíblia Sagrada como única regra de fé e prática. A IPRB existe para exaltar e glorificar a Deus, equipar os salvos e evangelizar os perdidos. Nosso endereço é QNL 22, via 02, lote 11. Taguatinga-DF.

sexta-feira, dezembro 29

Duas versões para um mesmo Natal

Reações críticas de cristãos de diferentes matizes à subversão natalina, com clara expressão comercial, são parecidas

Ricardo Muniz

Natal versão original: cristãos celebram o nascimento de Jesus como o momento histórico em que Deus se fez humano para reconciliar a humanidade consigo. Como escreveu a intelectual católica francesa Simone Weil, é o instante em que Cristo abriu mão de sua divindade real e convidou o homem a abrir mão de sua divindade imaginária.Natal versão adaptada: crianças esperam ansiosas por seus presentes ao pé do pinheiro, crentes na boa vontade de Papai Noel, velhinho róseo, risonho e generoso que mora no Pólo Norte, mas dá conta de circular pelo mundo todo com seu trenó puxado por renas voadoras.Uma distinção fundamental entre as duas narrativas está justamente nos presentes. Não que o bebê Jesus, nascido em Belém em ano anterior ao início oficial da Era Cristã, não os tenha recebido, pois, diz a Bíblia, sábios do Oriente lhe trouxeram ouro, incenso e mirra.É que o foco, na primeira versão, era a pessoa de Jesus, aliás personagem também honrado por muçulmanos, mas tão-somente como grande profeta, jamais como Emanuel ou Deus Conosco. Diz o Alcorão, 3ª surata, verso 45: “Ó Maria, por certo que Deus te alvíssara novas felizes com Seu Verbo, cujo nome será Jesus, o Messias, filho de Maria, nobre neste mundo e no outro”.Já o foco, na versão dois, são os presentes - embora o inspirador de Papai Noel, São Nicolau, fosse mais chegado a distribuir dinheiro em espécie (veja texto ao lado). “Obviamente, vencer a Rua 25 de Março é difícil”, diz o teólogo Fernando Altemeyer, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). “Esse fetichismo da compra revela um aspecto patológico de nossa sociedade, que é a submissão à mercadoria.”
GUERRILHA
As reações críticas de cristãos de diferentes matizes à subversão natalina são parecidas. A estratégia é quase de guerrilha, de aproveitar brechas na hegemonia inimiga. “Posto o cenário, dado o simbolismo colocado pelo tal espírito natalino, o esforço dos religiosos é insistir em apontar para o verdadeiro personagem central”, explica Altemeyer. “A tendência não é mais ficar só criticando essa deturpação do Natal como uma obra demoníaca”, diz o teólogo.Neuza Itioka, presidente do Ministério Ágape de Reconciliação, uma missão evangélica, pensa parecido. “Abolir qualquer celebração, como alguns já estão fazendo, não é o caminho”, diz. “Se queremos combater essa influência, é preciso substituí-la.” Neuza lembra que aprendeu de seu pastor na Igreja Metodista Livre, desde pequena, que a troca de presentes no Natal é uma forma positiva de se recordar que o maior presente de todos foi a vida de Jesus. “Seja cristão, seja não cristão, quem visita orfanatos e favelas, por exemplo, e distribui brinquedos ou cestas básicas sem pedir nada em troca, captou o sentido da festa melhor do que a maioria. A mensagem central do Evangelho é dar, não é receber, dar não só coisas, mas doar a própria vida.
”DOIS NATAIS“
A cultura secular vem insistentemente lutando para retirar Cristo do Natal, transformando-o numa celebração não religiosa”, avalia Ricardo Barbosa, teólogo e pastor da Igreja Presbiteriana do Planalto, em Brasília. “Mas acredito que a melhor forma de preservar Cristo no Natal não é lutar contra árvores, Papai Noel ou consumo, mas lembrar a centralidade de Cristo, a encarnação, a dádiva de Deus para a humanidade”, diz. “O fato é que teremos sempre dois natais.”Para Lourenço Stelio Rega, diretor da Faculdade Teológica Batista de São Paulo, o problema nem é mais a mercantilização do Natal. “Hoje até Deus é transformado em mercadoria, se torna servo para atender o homem-deus”, afirma. “Mercadores da fé se aproveitam para colocar a mão no bolso do fiel, transformando a Igreja num grande negócio.”
JESUS NÃO NASCEU NO NATAL
As polêmicas em torno do Natal são quase tão antigas quanto a comemoração em si. No século 2º, os cristãos orientais o celebravam em 6 de janeiro. Em 354, nas Igrejas ocidentais, incluindo as de Roma, celebrava-se o Natal em 25 de dezembro, data erroneamente considerada como o solstício do inverno no hemisfério Norte (na verdade, 21 ou 22 de dezembro, dependendo do ano), em que os dias começam a ficar mais longos. A data era consagrada ao Natalis Invictis Solis ou “aniversário do Sol invencível”, principal festa do mitraísmo - culto especialmente popular entre os soldados romanos.As Igrejas orientais bateram pé no 6 de janeiro e acusaram suas irmãs de idolatria. A briga durou até o fim do século 4º, quando o 25 de dezembro foi adotado no Oriente.
Clemente de Alexandria escreveu em 200 d.C. sobre possíveis datas de nascimento de Cristo - 19 de abril ou 20 de maio -, e aproveitou para cravar seu próprio palpite: 17 de novembro. “Todos estão conscientes de que Jesus provavelmente não nasceu em 25 de dezembro. Ela é uma convenção apenas, aceita pela Cristandade desde tempos antigos”, diz Augustus Nicodemus Lopes, chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Quanto ao ano de nascimento do Messias, não há alma que saiba ao certo, mas todos têm certeza de que o monge Dionísio Exiguus se embananou com as contas, no século 6º, quando fixou o início oficial da Era Cristã. Como o Evangelho de Lucas menciona o nascimento de Jesus no fim do reinado de Herodes, o Grande, historiadores dizem que o ano correto está entre 8 e 6 a.C. Mas também há quem mencione razões para acreditar que tenha sido entre 2 e 1 a.C. Para Clemente, foi em 3 a.C.

Fonte: O Estado de São Paulo, 23 de dezembro de 2006

sexta-feira, dezembro 22

CRBB

Em visita ao site da CRBB, li a notícia que o próximo congresso da Comunhão será na bela cidade de Caruaru, em Pernambuco. A programação deverá ter início na quarta-feira à noite, com encerramento no almoço do sábado. A Primeira Igreja Batista Reformada de Caruaru estará hospedando o evento.
Para maiores informações, visite o link da CRBB, que está listado em nosso blog.

terça-feira, dezembro 5

Notícias da Aliança Evangélica Mundial

Declaração da Aliança Evangélica Mundial acerca do Rev. Ted Haggard
Nov 04, 2006
A direcção da Aliança Evangélica Mundial expressa a sua tristeza pelos acontecimentos dos últimos dias no que diz respeito à demissão do Rev. Ted Haggard, presidente da Associação Evangélica Nacional (NAE). A Aliança Evangélica Mundial que funciona como organização unificadora de 127 alianças nacionais espalhadas por todo o mundo, semelhantes à NAE, trabalhou em parceria com o Rev. Haggard atendendo diversos temas cruciais para a comunidade Evangélica. Nós reconhecemos e apreciamos profundamente o papel que o Rev. Haggard desempenhou ajudando a revitalizar o importante trabalho da NAE. Nós também apoiamos a NAE na sua decisão de aceitar a renúncia do Rev. Haggard.
É durante estes momentos difíceis que os princípios da nossa fé se tornam claros. Todos nós ficamos muito aquém da bondade de Deus e necessitamos do perdão e da redenção que vem através de Jesus Cristo. A comunidade Evangélica global é constituída por 420 milhões de pessoas que estão unidas na procura da santidade, da justica e da renovação de todos os níveis da sociedade – individual, família, comunidade e cultura.
“É apropriado para nós permitir que o conselho de supervisores independentes da New Life Community Church prossiga com uma investigação minuciosa sobre as alegações, e orar pelo Ted, o seu acusador, a família Haggard e a sua comunidade de fé,” urgiu Geoff Tunnicliffe, director internacional da WEA. “Nenhum de nós, incluindo aqueles que se encontram em postos de liderança estão imunes em relação ao pecado e devemos providênciar graça e perdão de forma generosa, reflectindo também sobre as nossas próprias vidas de modo a mantermos os elevados padrões de moralidade e integridade enquanto representantes do corpo de Cristo diante do mundo.”
Contactos:
Pauline Chang, Secretária de Imprensa
E-mail: pauline@worldevangelicalalliance.com
Tel: +[1] 202.223.7556
Sylvia Soon, Chefe de Pessoal
E-mail: Sylvia@worldevangelicalalliance.com
Tel: +[1] 604.838.3922
Aliança Evangélica Mundial (WEA)
A Aliança Evangélica Mundial é composta por 127 alianças evangélicas nacionais localizadas em 7 regiões, e por 104 organizações que são membros associados. A visão da Aliança Evangélica Mundial é estender o Reino de Deus fazendo discípulos de todas as nações e por meio de transformação Cristocêntrica da sociedade. A Aliança Evangélica Mundial existe para promover a união Cristã, prover uma identidade, voz e plataforma aos 420 milhões de Cristãos evangélicos em todo o mundo.
Visite: www.worldevangelicalalliance.com
Inscreva-se para receber a Newsletter da WEA

sábado, dezembro 2

Está consumado!


Quando Jesus completou sua obra redentora na Cruz elevada no monte Calvário, ele exclamou triunfantemente: “Está Consumado!” (João 19.30).
A obra salvadora estava completamente feita, terminada. Nada foi omitido.
E a todos que são recipientes dessa salvação é outorgado tudo quanto pertence à vida e a piedade, através do verdadeiro conhecimento de Cristo (2 Pedro 1:3). Portanto, estar em Cristo significa possuir todo o recurso espiritual. Toda força, sabedoria, consolo, paz, valor propósito, esperança e realização na vida, agora e para sempre, estão inseparavelmente contidos em Cristo.
Porém, muitos crentes não possuem essa confiança. Infelizmente, esses cristãos desconhecem a verdade acerca da suficiência de nosso Senhor. A igreja está tremendamente carente de uma renovada apreciação do que significa viver em Cristo.

Fomos escolhidos para a adoção na família de Deus antes mesmo do mundo ter começado a existir (Efésios 1:4-5). Com a nossa adoção, veio a nossa rica herança espiritual. Assim, Deus, Cristo, o Espírito Santo, a salvação eterna e o reino são a nossa herança.

Nossa herança é algo glorioso. Nada há neste mundo que se compare a ela. Mas, podemos perdê-la de vista por buscarmos coisas mundanas. Não importe a circunstância em que você esteja, pense na sua herança eterna. Não corra atrás de soluções mundanas aos problemas passageiros da vida. As provações deste mundo não se comparam à eterna glória. Nunca se esqueça que você tem Cristo, que é todo-suficiente em tudo, agora e para sempre.